Subscribe:

Apoiadores:

terça-feira, 16 de agosto de 2016

A vida, os acasos e os amigos

Chicão, Cardoso e eu
(João Lemes)
Não poderia escrever nada hoje, mas nada sem primeiro fazer uma menção a Paulo Cardoso, o nosso Dosão, que acabou de nos deixar. Ao chegar em Santiago em 93 ele foi um dos meus primeiros amigos. Quantas vezes nos reunimos no Cruzeiro para ver Santiago jogar. Sim, éramos colorados (éramos! Nenhum de nós hoje torce mais pro Inter), porém, o nosso Cruzeiro vinha na frente.

Dosão era divertido, sem frescura, amigo mesmo! Pessoa que sabia tratar a todos com igualdade. Ele era muito, muito humano. Queria sempre ajudar, colaborar, pegar junto. Gostava de empulhar a gente. Vez por outra ele vinha com o tal "couro de cueta", pra denominar o tipo de tecido dos casacos dos amigos.

Sou uma pessoa que acredito no acaso, nas força da natureza e no homem. O homem pode tudo! Por isso, somos donos do destino e só podemos perder para o acaso. Mas também ganhamos com ele, assim como eu ganhei conhecendo o Cardoso.

Essa foto que aí está, nos lembra de outro cara que eu admirava, o Chicão. Esse almoço foi no Círculo Operário, no Dia do Trabalhador. Por coincidência (outra obra do acaso), Chicão nasceu no mesmo dia em que nasceu o Cardoso. Querem outro acaso? O Jones Diniz, amigo e ex-colega de Cardoso, faz aniversário justo hoje, dia da morte do nosso amigo falado. 

Pois é! Esta é nossa vida! Cheia de acasos. Uns bons, outros ruins... Pobres mortais girando ao prazer desta bola gigante chamada terra. Um mundinho, na verdade, mas que pode ser enorme e muito legal se soubermos viver, e viver é amar quem nos ama. Vá em paz, Cardoso. Sua missão foi cumprida. E bem cumprida!

3 comentários:

Anônimo disse...

Dois homens e personalidades memoráveis, que se foram para um plano superior. E ninguém é igual a ninguém, e nem eterno, só nossos feito. Por isso temos que fazermos nossos feitos e não se aproveitar dos feitos dos outros.

rsshow disse...

Grande nomes, Chicão, não vai ter outro igual ele...Dosão, vi ele a 15 dias no Chico Espenosse, é a vida, estamos aqui, amanhã pertence a Deus..

Anônimo disse...

Todos tem os seus méritos, obras, carisma e amizades, mas um dia partimos da vida terrena. Que Deus os tenha. Ficam os sinceros e também os aproveitadores, que em épocas que lhes convém utilizam-se de vínculos genealógicos, de amizades, ou de qual quer outra referência, porém que iriam totalmente de encontro ao pensamento e proceder daqueles entes. Por sejam nós mesmo e mostremos a que viemos, e muita gente já mostrou, porém de modo não convincente.

Editores

João Lemes
Éder Alves
Nova Pauta