Apoiam este projeto:

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Sobre o caso da falta de leitos em UTIs

Foto de arquivo, mas que mostra a realidade brasileira (sempre atual) 
(J.Lemes)
Santiago - O tema do momento é a morte deste pobre senhor de Santiago que esperava por uma UTI cardiológica. Ele estava em coma no Hospital de Santiago. A família apelou pra Justiça, que deu uma ordem para que a prefeitura "providenciasse" um leito seja onde fosse.

A bem da verdade esclarecemos que o primeiro a ter que providenciar o leito na UTI (ou qualquer outro), é o hospital, que há horas vinha tentando isso. O problema é que do jeito que estão as coisas no estado e país, praticamente não sobram leitos assim e, aí, não se pode ficar culpando esse ou aquele, mas os governos em geral.

Um despacho de um juiz não muda a realidade; apenas um governo voltado à inversão de prioridades pode fazer isso.

É bom dizer, ainda, que os leitos são regulados por uma equipe central do governo estadual. A UTI de Santiago, por exemplo, está sempre lotada e, na maioria das vezes, por pacientes vindos de toda parte do Estado. É assim que funciona.

E quando os leitos daqui e pelo estado inteiro estão ocupados, só um médico para desocupá-los, e nenhum profissional vai tirar um paciente da cama para colocar outro, a menos que seja por alta médica. Assim, resta lamentarmos pela família e por tantas outras que peregrinam Brasil afora em busca de socorro nessas horas.

Não defendemos este ou aquele governo. Só que nosso papel não é jogar gasolina no fogo. Temos que procurar as fontes e dizer na real o que se passa. Afinal, a rede social já anda cheia de opinadores e especialistas de todo tipo que adoram culpar quem bem entendem. Esquecem que não há nada mais medíocre que opinar sobre aquilo que desconhecemos.

11 comentários:

  1. O fato e a realidade santiaguense é que não se pensa no futuro! Sim... enfeitam, condecoram, ganham-se "prêmios" e, na hora da precisão, da urgência, da necessidade NÃO HÁ RECURSO!!! Isso não depende inteiramente do Governo, que fique bem claro.

    ResponderExcluir
  2. o brasil ta quebrado ,mas o mais triste sao as pessoas que nao adimitem isso ....

    ResponderExcluir
  3. Compartilho do mesmo pensamento!sabemos da situação da saúde em todo o estado,então acredito q não adianta encaminhamento via judicial se não existir vagas...a situação é complexa e não é somente em santiago..triste realidade!

    ResponderExcluir
  4. parabens equipe nova pauta pela responsabilidade em publicar uma noticia, como li em outros meios vi um pouco de sencionalismo e imparcialidade ,num deles. vcs fizeram um excelente trabalho

    ResponderExcluir
  5. Realmente esclarecedor!Pois o que se vê são pessoas atirando pedra para todos os lados!E outros tantos tentando denegrir Ou desacreditar este ou aquele partido politico!

    ResponderExcluir
  6. Realmente não se deve falar do que não se sabe porque,so sabe quem passa não é mesmo

    ResponderExcluir
  7. A sensatez dos comentários são indiscutíveis. Mas vamos ficar de braços encruzados aceitando a realidade e esperando outra pessoa morrer e lamentarmos com mesmo discurso. Ou vamos lutar para mudarmos isso, e a mudança começa no município, não na capital do Estado e nem em Brasília. "Povo que não tem virtude acaba por ser escravo". Quem decide é nós.

    ResponderExcluir
  8. Em ano eleitoral é muito facil culpar quem esta no poder,sem saber da atual situação do paciente.Pelo que me consta infelizmente esse idoso já estava entubado com deficiencia respitória,sendo inviavel qualquer procedimento cardiologico e sua remoção do municipio.Ele não supotaria a uma viagem,por mais fosse em uma UTI móvel,pois seu caso era grave.

    ResponderExcluir
  9. TAMBÉM ACHO QUE TEMOS QUE PENSAR NESSAS SITUAÇÕES E REFLETIR OK TA ERRADO ACHO QUE TODOS OS GOVERNANTES TERIAM QUE SE PREOCUPAR MAIS NA SAÚDE COMO PRIORIDADE MAS NÃO O FAZEM PORQUE APLICAM MAL OS ORÇAMENTOS EM OUTRAS OBRAS SEM NECESSIDADE.

    ResponderExcluir
  10. Isso é uma vergonha ( Boris Casoy).

    ResponderExcluir

O Nova Pauta é um blog noticioso e crítico, portanto sua opinião é sempre bem-vinda. No entanto, seu comentário não será aceito se ele contiver conteúdo de de cunho racista, discriminatório, acusativo ou ofensivo de qualquer natureza contra pessoas e instituições;

E, de preferência, identifique-se. Mantenha o nível, mostre sua inteligência e contribua para um bom debate. Assim, sua crítica será bem recebida pelos leitores se você usar o poder do argumento.

É proibida a reprodução de parte ou do todo desta publicação sem a permissão dos seus autores.

Por fim: TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO LIDOS antes de serem publicados. E isso pode demorar. Portanto, aguarde.

Editores

João Lemes
Éder Alves
Nova Pauta