Apoiam este projeto:

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Pérolas da Câmara de Santiago

Nesta segunda a nossa Câmara voltou com as sessões ordinárias. Aos poucos vamos conhecendo melhor os novos vereadores: (foto: assessoria do deputado Bianchini)

Exame de mormo é fria?
Décio Loureiro (PP) mostrou que está no lugar errado ao dizer que o exame contra o mormo dos cavalos é só para arrecadar dinheiro pro governo, que de nada adianta. Embora seu colega Joel tenha rebatido, dizendo que é norma do Ministério da Agricultura, Décio não mudou o discurso.

Obs. Décio diz que o exame não tem valor porque o animal pode pegar a doença logo ali, mesmo após exame. Ou seja, o exame é só um exame. Não evita a doença. "O exame mostra que ele não possui a doença no momento do exame, mas não protege que não vá adquirir ao sair dali", disse o vereador.

Escolas fechadas
Outro debate importante foi sobre o fechamento de escolas no interior. Muitos tocaram pavor, dizendo que esse fechamento vai esvaziar mais o nosso meio rural, caso do Décio (de novo) e do Davi (PP).

Outros tempos
Aí foi a vez do Gildo (PP) dar uma resposta à altura. Disse que não há como manter uma escola com três alunos, pois o ensino seria péssimo. Frisou ainda que hoje o interior tem de tudo, desde luz, água, telefone e até internet. Pra arrematar, Gildo lembrou dos antepassados que iam descalços pra escola mesmo no inverno e que hoje os ônibus pegam as crianças na porta de casa.

Obs. Gildo tem razão. O problema é que distorcem a expressão "fechar escola" como se fossem acabar com as aulas. E não é isso; esse fechamento indica mais qualidade, embora se saiba que é preciso haver o sacrifício do deslocamento dos alunos. O discurso contrário e sem conhecimento técnico é o mais fácil e agradável em primeira vista. E é isso que muitos vereadores fazem.

Velocidade
Os radares e quebra-molas tiveram atenção especial. Uns são a favor dos redutores com lombadas na rua; outros a favor dos radares móveis. Rafael (PSD) disse que quando arde no bolso, todos entendem melhor o propósito das leis.

Copa Santiago
A Copa Santiago também fez parte dos debates, quando alguns lembraram que a dupla Grenal cobra 13 mil do Cruzeiro para vir jogar aqui. Essa cobrança deveria ser revista pelos clubes mais amados do Estado.

Obs. Grêmio e Inter cobram para jogar, ou seja, cobram da sua própria torcida. Bem dizem que esse "amor" pelos times causa alegria e dores. Dores na derrota e dores na cobrança monetária, o que eles sabem fazer muito bem.

Gildo sai? Pelé entra?
A boa da noite ficou a cargo dos vereadores Rafael (PSD) e Gildo (PP). O primeiro pede que o segundo não deixe seu posto, que não ceda lugar a quem não se elegeu. O segundo disse que ao ser convidado pelo prefeito para assumir secretaria se sentiu elogiado.

Em resumo, o primeiro (Rafael) não quer que outro saia porque quem entraria seria o veterano Pelé (PP) muito mais carrasco com os adversários. Mas aí Gildo, que não é bobo nem mada, saiu com essa: "Não vou deixar meu posto, mas o senhor não deve me elogiar porque eu serei um ferrenho crítico seu".

10 comentários:

  1. E mais uma vez a dança das cadeiras vai continuar? Concordo com você Rafael: QUEM SE ELEGEU FICA! Os demais aguardem a próxima eleição. Será que não chegou ainda pro Pelé? Fez o que durante todo esse tempo?

    ResponderExcluir
  2. tinha
    -São bons de papos na realidade malandros,não sabem fazer outra coisa mesmo,profissionais na conquista de votos.Alunos de certo Senador Gaúcho que se elege por um partido, depois o troca por outro que de mais vantagens,ainda chama seu ex presidente de partido de bagaceira,assina uma emenda e vem a publico falar que não leu.Quem é o bagaceira.

    ResponderExcluir

  3. - São legitimas lavadeiras,se elegeram com votos de muitos TRABALHADORES RURAIS, mas não se posicionam a favor dos trabalhadores em relação as mudanças da previdência, vamos lutar pelos direitos do povo, não ficar ajeitando o ladinho dos colegas, vão ser vereadores de verdade.(parem de fofoca)

    ResponderExcluir
  4. O que o gildo vai dizer aos eleitores dele se não queria trabalhar como verador por que se candidatou?

    ResponderExcluir
  5. Caro João Lemes, o " fechamento" ou redução dos turnos das escolas traz como primeira consequência a transferência das famílias para a cidade, pois as crianças saem de casa muito cedo e retornam as 13h30 ou mais tarde ainda. Estamos falando de crianças de ensino fundamental. Muitas vezes a escola da cidade oferece turno oposto e para participar elas não tem como retornar para suas casas. Será que estas famílias não produzem no copo o suficiente para manter estas escolas abertas. Qual é mesmo o setor que mantém a economia do país? Ah, a agropecuária! Mais atenção e cuidado com esta parcela tão importante dá nossa sociedade.

    ResponderExcluir
  6. Sobre os quebra molas de Santiago, acho que é educativo assim como os radares moveis, ja que os motoristas não respeitam a velocidade, tem que serem usados.
    fazia 2 meses que não ia a Santiago, fui esse fim de semana, ao cruzar pela rua atrás do hospital, na esquina do Asilo, meu carro caiu em BURACO que foi feito ali, que nao me acidentei por pouco, pois vinha um carro ao contrario e quase bati nele. ja era noite, mas me fazerem um buraco em uma rua que nunca teve, SEM SINALIZAÇÃO ALGUMA!!!!! QUEM VAI PAGAR O CONSERTO DO MEU VEICULO??????????? QUEM???????NINGUÉM NÉ. ENTÃO VÃO PARA DE FAZER SERVIÇO PORCO PRA QUEM PAGA PRA FAZER UM SERVIÇO DESCENTE. FIASCO. RAIVA

    ResponderExcluir
  7. em relação ao fechamento das escolas concordo se tiver três ou quatro alunos não tem necessidade da escola estar funcionando, mas que essas crianças sejam remanejadas para outra escola do campo e não trazer esses alunos para cidade, alem disso precisa haver uma metodologia de ensino diferente para esses alunos do campo, pois nossas escolas do campo não tem nem um vinculo com o campo retratam os mesmos métodos da cidade, não tendo nada ver com a realidade desse aluno. VAMOS OLHAR PARA O FUTURO DO CAMPO, POIS A VIDA NO CAMPO DEPENDE MUITO DE UMA ESCOLA DO CAMPO, QUE MOSTRE PARA ESSE ALUNO QUE NO CAMPO TAMBÉM EXISTE VIDA E FUTURO.

    ResponderExcluir
  8. Acho lamentável o descaso com que a educação do campo ( e a educação em geral) é tratada. Só importa o $$$$$ gasto, nunca é vista como investimento. Não observo os outros setores do funcionalismo público ser atacado, somente a educação. Quem trabalha com bandido é melhor remunerado que o professor, as verbas para presidio e para criminosos são maiores do que para os alunos. E, pasmem, com o aval dos órgãos de imprensa. É de se pensar...alguma coisa vai muito mal em nossa sociedade.
    Concordo com o comentário que fala da produção das famílias; o setor rural, junto com o funcionalismo público, são os únicos que não podem sonegar impostos e renda. Quanta injustiça com estes setores.

    ResponderExcluir

  9. -Tem oradores que só falam no passado,mas não olham para o presente nem futuro,assim constrói o seu curral eleitoreiro.Temos sim fazer mais escolas qualificadas no Interior dar mais conforto, base para os jovens do interior,já seria um incetivo maior. Tem que acabar com a mordomia desses politico que só pensam neles.

    ResponderExcluir

O Nova Pauta é um blog noticioso e crítico, portanto sua opinião é sempre bem-vinda. No entanto, seu comentário não será aceito se ele contiver conteúdo de de cunho racista, discriminatório, acusativo ou ofensivo de qualquer natureza contra pessoas e instituições;

E, de preferência, identifique-se. Mantenha o nível, mostre sua inteligência e contribua para um bom debate. Assim, sua crítica será bem recebida pelos leitores se você usar o poder do argumento.

É proibida a reprodução de parte ou do todo desta publicação sem a permissão dos seus autores.

Por fim: TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO LIDOS antes de serem publicados. E isso pode demorar. Portanto, aguarde.

Editores

João Lemes
Éder Alves
Nova Pauta