Apoiam este projeto:

sábado, 8 de abril de 2017

A (quase) queda de um homem - Parte II

João Lemes e o ex-governador Leonel Brizola (anos 90)
(por João Lemes) - Ontem, 07,  foi o Dia Mundial da Saúde, com foco na depressão. Se você não teve, cuide-se, um dia poderá ter. Portanto, quando ela chegar, o importante é estar preparado. Como já passei por isso, aqui dou seguimento a esse artigo para ajudar quem sofre.

Lá pelos naos 90, como eu não tinha tempo para lazer, só pensava em trabalho, numa noite minhas pernas tremeram, meu queixo endureceu e a língua quis enrolar. Fiquei apavorado e disse para a Suzana:

-Me leva no médico que eu vou morrer!  -  Eu era muito vil. Tinha medo até de injeção. Aquilo me chocou e pensei de fato que morreria. Rumamos para o hospital. No caminho eu queria saltar do carro e ir correndo para chegar mais rápido. As coisas começaram a ficar embaçadas, turvas... Achei até que iria desmaiar de tanta ansiedade (eu nunca desmaiei).

Chegamos no médico e ele ficou atônito diante do meu quadro clínico. De pronto, perguntou o que eu tinha, se havia saído de algum velório. Com muito custo, consegui falar.

-Não é nada disso, doutor. Estou com estresse! Eu trabalho feito doido e agora acho que chegou a minha vez.

Ele nem me examinou. Só ouviu a Suzana e lhe entregou uma receita à base de Lexotan, um faixa preta terrível. Cada dose era uma paulada. Já em casa, tomei dois de vereda e caí na cama. Como não dormia direito a semana toda, aquilo foi um alento. Uma coisa dos deuses. Foi mesmo que tirar com a mão.

Noutro dia eu estava renovado e recomecei com mais força ainda. Escapei dessa, o negócio é seguir em frente, pensei. Outro engano. 

A melhora foi passageira e o estresse se fez sentir com mais força. De tal modo, que eu não conseguia montar uma só página do jornal. As coisas encaixavam na minha mão mas se espalhavam na cabeça. Uma coisa terrível! Para tudo o que eu olhava, parecia um quebra-cabeças. Fui fraquejando, fraquejando e acabei sentindo o que é sofrer de estresse e, mais tarde, da terrível dor da alma. A malfadada depressão.
(segue amanhã)

Um comentário:

O Nova Pauta é um blog noticioso e crítico, portanto sua opinião é sempre bem-vinda. No entanto, seu comentário não será aceito se ele contiver conteúdo de de cunho racista, discriminatório, acusativo ou ofensivo de qualquer natureza contra pessoas e instituições;

E, de preferência, identifique-se. Mantenha o nível, mostre sua inteligência e contribua para um bom debate. Assim, sua crítica será bem recebida pelos leitores se você usar o poder do argumento.

É proibida a reprodução de parte ou do todo desta publicação sem a permissão dos seus autores.

Por fim: TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO LIDOS antes de serem publicados. E isso pode demorar. Portanto, aguarde.

Editores

João Lemes
Éder Alves
Nova Pauta