Apoiam este projeto:

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Tarso Genro em defesa de Lula

Curitiba - O ex-ministro Tarso Genro disse hoje em seu novo depoimento que tem conhecimento suficiente da pessoa de Lula para dizer que o ex-presidente “jamais aceitaria qualquer benefício indevido decorrente de intercâmbio, a partir de funções presidenciais”.

Também não sabia
Genro disse que o governo Lula promoveu o aprimoramento das instituições voltadas ao combate à corrupção e que havia orientação expressa dele para que os processos de investigação ocorressem dentro da legalidade. Disse também que, como ministro da Justiça, jamais teve conhecimento de qualquer esquema de desvio na Petrobras.

3 comentários:

  1. O que estão fazendo com Lula é nojento, coisa de quadrilheiros da pior espécie. Quando FHC era Presidente a PF era então uma Polícia do Governo. Ela foi chefiada por Romeu Tuma, Delegado de Polícia em São Paulo, logo um estranho no ninho. Tuma usou e muito bem a PF conseguindo assim ser eleito Senador.
    Lula na Presidência modificou a PF de forma que hoje ela só pode ser chefiada por Delegado de seu próprio quadro, no último padrão da carreira e ainda em atividade. Assim hoje a PF não é mais uma Polícia do Governo do momento e sim uma Instituição de ESTADO.
    Lula criou a Controladoria Geral da União (CGU) então sob o comando de Jorge Hage, magistrado baiano altamente respeitável. A CGU num dos seus primeiros sorteios vasculhou a Prefeitura de Xangri-Lá então nas mãos de um sujeito sem caráter e desonesto que denomino no meu blog de MENTIROSO. Ali a CGU encontrou vários funcionários da Prefeitura embolsando o BOLSA FAMÍLIA, ladrões todos eles obviamente.
    Com a PF alçada à condição de uma Polícia e Estado e a ela somando-se a CGU, foi iniciada uma faxina no setor público. Aí reside o ódio dos que se julgam mais cidadãos contra Lula. Bandidos boa parte deles se não todos.

    ResponderExcluir
  2. Imagine o peso do depoimento de um dos responsáveis por dar asilo político a um terrorista ( Cesare Battisti). Condenado na Itália por um assassinato e cúmplice de outro.

    ResponderExcluir

  3. Batistti não sei até onde deve à justiça italiana. Sei sim que integrava um grupo que praticou alguns fatos tidos como crimes pela legislação de lá. Como conseguiu fugir, os outros uma vez presos entraram na tal DELAÇÃO PREMIADA.
    Como lá não usam bombachas os parceiros ou cúmplices dele, como queiram, jogaram toda a responsabilidade dos fatos sobre ele. Obviamente restou condenado a uma pena elevadíssima. Em muitas oportunidades me vali de ‘dedos duros’ na investigação, mas através deles buscava provas para então indiciar quem deveria ser indiciado.
    Assim penso que ele foi vítima de uma lei que em minha ótica é desprezível vez que ao Estado compete investigar através de sua POLÍCIA JUDICIÁRIA, comprovar a autoria e então levar o ou os autores aos tribunais.
    Vejo como péssimo quando como ocorre aqui agentes do MP se associando a ‘dedos duros’ e à partir disto fazendo algo como o tal Power Point exibido contra Lula. Num país sério todos são julgados no processo e não execrados à opinião pública.
    O agente do MP, Dallagnol se fossemos um país sério estaria preso.
    Há regras a serem observadas e cumpridas e agentes do MP não tem prerrogativa de investigar crimes embora tudo venham fazendo para assumirem as atividades de POLÍCIA JUDICIÁRIA.

    ResponderExcluir

O Nova Pauta é um blog noticioso e crítico, portanto sua opinião é sempre bem-vinda. No entanto, seu comentário não será aceito se ele contiver conteúdo de de cunho racista, discriminatório, acusativo ou ofensivo de qualquer natureza contra pessoas e instituições;

E, de preferência, identifique-se. Mantenha o nível, mostre sua inteligência e contribua para um bom debate. Assim, sua crítica será bem recebida pelos leitores se você usar o poder do argumento.

É proibida a reprodução de parte ou do todo desta publicação sem a permissão dos seus autores.

Por fim: TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO LIDOS antes de serem publicados. E isso pode demorar. Portanto, aguarde.

Editores

João Lemes
Éder Alves
Nova Pauta