Apoiam este projeto:

segunda-feira, 10 de julho de 2017

A polêmica do senegalês

Santiago - Novamente houve polêmica envolvendo vendedores ambulantes. Desta vez a repercussão foi com um vendedor senegalês que foi notificado pelos fiscais da prefeitura no calçadão. Aí surgiram manifestações de toda ordem, a maioria querendo que ele seguisse como estava, que não atrapalhava ninguém, que é uma pessoa e que precisa trabalhar etc.

Todos podem vender, desde que legalizados
Pela manhã o prefeito Tiago falou na Rádio e informou que não foi só o senegalês o notificado, mas também outros 12 ambulantes, assim como vai o alerta ao próprio comércio que ocupa as calçadas e impede a passagem das pessoas.

Cadeiras nas calçadas
Tiago Gorski disse ainda que a prefeitura é a favor dos vendedores ambulantes, desde que em pontos fixos e legalizados e que para isso destinará a praça do QG. Quem desejar ocupar aquele lugar pode procurar a Secretaria de Indústria e Comércio.

Ambulante tem que "perambular"
A prefeitura recebeu várias reclamações de empresários e do Centro Empresarial para agir, uma vez que os empresários pagam aluguéis altos, arrecadam impostos e ainda geram empregos que ajudam a manter a cidade e um serviço de qualidade para todos.

Ainda, segundo a fiscalização, os "ambulantes" até pagam taxas, mas de ambulantes, ou seja, para andar pela cidade, não para se estabelecerem em pontos fixos e em frente de lojas que pagam altos impostos.

O secretário de gestão Eldrio Machado (abaixo) fala que o projeto para um centro popular de compras na pracinha do QG já existia e que ninguém quer impedir ninguém de trabalhar, mas todos devem seguir as regras ou alguém sempre sairá prejudicado.

"A administração pública precisa trabalhar pra resolver as questões de maneira coletiva e não individual", disse o prefeito, sugerindo uma solução para todos os ambulantes.

6 comentários:

  1. Aqui em Santiago sempre tem alguém para denunciar quem tá trabalhando,muitos trabalham nessas situações porque não arrumaram algo melhor ou por não terem estudos mas pelo menos estão trabalhando e ganhando um pouquinho de dinheiro que mal podem se sustentaram o pior seria se estivessem roubando...

    ResponderExcluir
  2. E o baiano vai sair da frente da farmácia fronteira????

    ResponderExcluir
  3. Somente o que tenho a dizer é que há anos vimos na cidade pessoas comercializando seus produtos, nunca houve reclamações e a Prefeitura nunca notificou ninguém. Então, chegamos a conclusão que os ex-prefeitos tinham bom senso e bom coração. Os empresários e o CES enxergaram somente agora essas pessoas? Somente agora tiveram prejuízos? Se já existia um Projeto porque nunca foi colocado em prática? Quanto mais emendam mais se complicam.

    ResponderExcluir
  4. Aposto que todas estas pessoas que estao com dó desse rapaz nunca se quer compraram uma capa de celular para ajudar ele e depois querem falar.vamos ajudar comprando.se todas essas pessoas que se manifestaram comprassem uma capa de celular ele ficaria contente para ajudar sua familia.vamos colaborar gente.chega de fofocas.kkkk

    ResponderExcluir
  5. Se forem para a praça!
    Vão estabelecer pontos fixos e deixarem de ser ambulantes, além de tudo vai virar camelódromo!

    ResponderExcluir
  6. um senegalês incomoda, agora várias mesas e cadeiras de uma lanchonete no calçadão atrapalhando quem passa, não incomoda?

    ResponderExcluir

O Nova Pauta é um blog noticioso e crítico, portanto sua opinião é sempre bem-vinda. No entanto, seu comentário não será aceito se ele contiver conteúdo de de cunho racista, discriminatório, acusativo ou ofensivo de qualquer natureza contra pessoas e instituições;

E, de preferência, identifique-se. Mantenha o nível, mostre sua inteligência e contribua para um bom debate. Assim, sua crítica será bem recebida pelos leitores se você usar o poder do argumento.

É proibida a reprodução de parte ou do todo desta publicação sem a permissão dos seus autores.

Por fim: TODOS OS COMENTÁRIOS SÃO LIDOS antes de serem publicados. E isso pode demorar. Portanto, aguarde.

Editores

João Lemes
Éder Alves
Nova Pauta